27 de setembro de 2020

O papel da Genética na Dependência do Álcool The role of genetics in alcohol dependence

27 de dezembro de 20132min

Acesse: O papel da genetica.pdf

O papel da Genética na Dependência do Álcool
The role of genetics in alcohol dependence

Guilherme Peres Messas
Homero Pinto Vallada Filho

Este artigo procura examinar a questão da herdabilidade na dependência do álcool. Através da revisão de estudos em famílias, em gêmeos e de adoção, encontramos evidências para afirmar a importância dos fatores genéticos na transmissão da vulnerabilidade a esta dependência.
O estudo do componente genético nas dependências químicas em geral sofre da mesma dificuldade experimentada pelos demais transtornos da psiquiatria: a indefinição fenotípica, ou seja, a dificuldade de delimitar fronteiras claras para as categorias diagnósticas. No entanto, diversos trabalhos vêm examinando o tema, com resultados significativos, que discutiremos mais abaixo. Apresentaremos os estudos divididos em dois grupos, os estudos epidemiológicos e os moleculares. Os primeiros fornecem a base empírica para a realização dos segundos, orientando quais fenótipos podem ser mais influenciados geneticamente e, assim, mais férteis para a análise molecular. Neste artigo, iremos expor os principais resultados a respeito dos fatores genéticos na dependência do álcool. Contudo, devido ao fato de haver considerável sobreposição entre as categorias das diversas dependências, em alguns momentos, ao longo da exposição, será inevitável a apresentação de alguns dados relacionados à dependência de outras drogas.


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter