Identificação precoce do uso de álcool em trabalhadores e aplicação de Intervenção Breve

1 de fevereiro de 20214min130
Novo Video (2)

O consumo abusivo de álcool é considerado um problema de saúde pública, sendo a terceira causa de absenteísmo no trabalho e a oitava causa para a concessão de auxílio-doença pela Previdência Social no Brasil. A performance do trabalhador e o ambiente de trabalho são afetados pelas consequências do uso abusivo do álcool, causando queda de produtividade e qualidade no trabalho, bem como ausências no período de sua jornada; mudanças de hábitos pessoais, relacionamento ruim com os colegas, acidentes de trabalho, entre outras vulnerabilidades. Esta pesquisa teve por objetivo identificar o padrão de uso do álcool em trabalhadores e posteriormente realizar uma aplicação de Intervenção Breve (IB) nos que apresentarem padrão de beber excessivo, visando o retorno à abstinência ou pelo menos à moderação. A pesquisa foi exploratória, descritiva e quase-experimental, realizada em quatro etapas: levantamento inicial, entrevista, intervenção breve e seguimento.

Na primeira etapa, participaram 230 trabalhadores e foi utilizado na coleta de dados o questionário autoaplicado composto de dados sociodemográficos e o Alcohol Use Disorders Identification (AUDIT). Atingiram a pontuação de oito ou mais no AUDIT 34% dos trabalhadores e foram classificados como positivos, pois apresentaram uso de risco ou nocivo ou dependente do álcool. Quanto aos 71 trabalhadores classificados como positivos, na segunda etapa, foram investigadas informações do seu padrão do beber através do Perfil Breve Bebedor (PBB) modificado e aplicado à Escala de Dependência de Álcool (EDA), que possibilitou comparar e confirmar os resultados do AUDIT. Os positivos no AUDIT e EDA foram divididos da seguinte maneira: grupo experimental, com 43 trabalhadores, e grupo controle, com 28 trabalhadores. Na terceira etapa foi realizada a IB desenvolvida por Cruz, Martins e Silva (2016) somente com os 43 trabalhadores do grupo experimental. Nas sessões de seguimento, quarta etapa da pesquisa, foi aplicado o AUDIT após 3 meses e novamente após 6 meses da IB em todos os participantes do grupo experimental e do grupo controle para comparação. Os resultados mostraram que a IB foi eficaz, tanto no primeiro seguimento como no segundo, confirmando a eficácia da IB entre trabalhadores. Em todos os seguimentos, os dados mostraram que o grupo experimental diminuiu a quantidade de beber. Percebeu-se que o grupo controle também diminuiu a quantidade de beber, mas não na mesma proporção do grupo experimental. O uso abusivo do álcool está presente em todos os níveis hierárquicos dos cargos. A bebida mais consumida pelo Trabalhadores é a cerveja e consomem preferencialmente em suas residências, mais aos sábados seguido de sexta e domingo. Quanto ao Beber Pesado Episódico (Binge Drinking), 80,2% dos trabalhadores fizeram pelo menos uma
vez o consumo de cinco ou mais doses em uma única ocasião nos últimos seis meses.

Consideramos que estes resultados possam contribuir para a implantação de programas voltados para a saúde do trabalhador.

Palavras-chave: Alcoolismo. Intervenção Breve. Saúde do trabalhador. Transtornos Relacionados ao Uso de Álcool. AUDIT. Consumo de álcool.

Autora: Sandra Regina Chalela Ayub

Baixe aqui a tese completa.


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter