Liberação de dopamina em usuários de Cannabis crônicas: [(11) C] Positron Emission Tomography raclopride estudo.

6 de fevereiro de 20123min

PubMed – Biol Psychiatry. 2012 28 jan. [Epub ahead of print]

Liberação de dopamina em usuários de Cannabis crônicas: [(11) C] Positron Emission Tomography raclopride estudo.

Urban NB , Slifstein M , Thompson JL , Xu X , Girgis RR , Raheja S , M Haney , Abi-Dargham A .

FonteDepartamentos de Psiquiatria da New York State Psychiatric Institute e da Universidade de Columbia, New York, New York.

Abstrato

JUSTIFICATIVA: Baixo estriatal receptor de dopamina 2/3 disponibilidade (D (2/3)) e baixa ventrostriatal dopamina de liberação (DA) têm sido observadas em de alcoolismo e de cocaína e a dependência de heroína. Pouco é conhecido sobre o sistema dopaminérgico na dependência de cannabis. Foram avaliados D (2/3) a disponibilidade e liberação de DA em usuários de cannabis abstinentes comparados com os controles e as relações exploradas a história do uso da cannabis usando [(11) C] raclopride tomografia por emissão de pósitrons e um paradigma desafio anfetamina.

MÉTODOS: Dezesseis recentemente abstinentes, psiquiatricamente saudáveis ​​cannabis usando-participantes (27,3 ± 6,1 anos, uma mulher, 15 homens) e 16 sujeitos controle pareados (28,1 ± 6,7 anos, 2 mulheres, 14 homens) completou dois pósitrons tomografia de emissão, antes e após a injeção do uso intravenoso de d-anfetamina (.3 mg / kg). Mudança por cento em [(11) C] vinculativo raclopride depois de anfetamina (mudança no potencial de ligação nondisplaceable, ΔBP (ND)) em sub-regiões do corpo estriado foi comparado entre os grupos. Correlações com parâmetros clínicos foram examinados.

RESULTADOS: Usuários de maconha tinham um consumo médio de 517 ± 465 puffs estimados por mês, indicando leve a moderada dependência de cannabis. Nem BP base (ND), nem ΔBP (ND) difere do grupo controle em qualquer região de interesse, incluindo striatum ventral. Em cannabis-dependentes, idade mais precoce de início do uso correlacionada com menor [ΔBP (ND)] no estriado associativa quando controlando para a idade atual.

CONCLUSÕES: Ao contrário de outros vícios, dependência de maconha de leve a moderada gravidade não está associada a alterações estriatais de DA. No entanto, a duração mais cedo ou mais longo de utilização está relacionada com menor liberação de DA no estriado associativa. Estas observações sugerem um efeito mais nocivo do consumo durante a adolescência, mais pesquisas são necessárias para distinguir os efeitos da cronicidade contra início.

Copyright © 2012 Sociedade de Psiquiatria Biológica. Publicado pela Elsevier Inc. Todos os direitos reservados.

PMID: 22290115 [PubMed – como fornecido pelo publisher]


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter