28 de setembro de 2020

Ingestão alcoólica entre vítimas de causas externas atendidas em um hospital geral universitário

17 de julho de 20094min

alcoolemergenciaCISA – Centro de Informação Sobre Saúde e Álcool
Tem sido sugerido que o consumo abusivo ou inadequado de álcool cause uma série de traumas por causas externas, dentre os quais se destacam os acidentes de trânsito, episódios de violência e quedas. Além dos gastos com internações, esses traumas têm gerado uma expressiva perda de produtividade e considerável ônus à sociedade ao passo que acometem, principalmente, pessoas em idade economicamente ativa.

Para avaliar a associação entre o consumo de bebidas alcoólicas e a ocorrência de traumas (por causas externas) foram avaliados 385 pacientes de um hospital geral universitário, da cidade de Uberlândia, entre os meses de Fevereiro e Agosto de 2004. Desses, 85 pacientes foram atendidos em pronto-socorro e 301 estavam internados.

Entre os pacientes atendidos no pronto-socorro, 31,8% acusaram presença de álcool no sangue (alcoolemia positiva) e apresentaram, comparativamente aos pacientes com alcoolemia negativa (sem álcool no sangue), maior freqüência de episódios de hospitalização (70,4% vs 37,9%).

O resultado de alcoolemia positiva foi mais prevalente entre as vítimas de agressão física (57,1%) comparada às vítimas de queda (18,2%) e de acidentes de trânsito (29,3%). Padrão semelhante foi observado entre os pacientes internados, cujo consumo de álcool previamente ao episódio de trauma foi investigado através de entrevista. Observou-se que 67,4% dos pacientes internados haviam consumido álcool antes do trauma, assim como 24,9% das vítimas de acidentes de trânsito e, finalmente, 19,3% das vítimas de queda.

Independente do tipo de paciente (se atendido no serviço de emergência ou internado), aqueles que tinham bebido previamente ao trauma eram predominantemente homens (85,2% e 80,4%), tinham sofrido o trauma durante o final de semana (63% e 57,8%), frequentemente à noite (59,3% e 57,8%) e apresentaram pontuação positiva para o CAGE (81,5% e 82,2%)(ou seja, faziam uso abusivo e problemático de álcool).

Para finalizar, conforme os autores, entre as vítimas de trauma, ser homem, ter sofrido agressão física e realizar uso abusivo de álcool despontaram como possíveis fatores associados ao consumo de bebidas alcoólicas previamente ao acontecimento de trauma, sugerindo a necessidade de planejamento de políticas públicas que possam reduzir esse comportamento, assim como, reduzir os custos econômicos e sociais de seus desdobramentos.

Título: Ingestão alcoólica entre vítimas de causas externas atendidas em um hospital geral universitário

Autores: Efigênia Aparecida Maciel de Freitas, Ismênia Diniz Mendes e Luiz Carlos Marques de Oliveira

Fonte: Rev. Saúde Pública 2008 42(5):813-21

IF.: 0,557

 


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter