27 de novembro de 2021

Novos Líderes na Psiquiatria Americana Adotam Abordagem de Determinantes Sociais para Doenças Mentais

27 de setembro de 20218min323
01pGaSR4XT2CdgKNC8JtTI2-k-Yl6WeOmR-8qdQSZic

Os editores do The Lancet destacam uma mudança na psiquiatria americana em direção a uma apreciação mais profunda da abordagem dos determinantes sociais.

De  Richard Sears  – 26/09/2021

Em um novo editorial, os editores da principal revista médica, The Lancet, argumentam que é necessária uma abordagem integradora e holística que dê conta mais plenamente dos determinantes sociais da doença mental para avançar no campo da psiquiatria.

Os editores destacam os novos líderes da psiquiatria americana que apoiam esta abordagem, mas advertem que muitos psiquiatras nos Estados Unidos ainda estão ligados ao modelo biomédico. Eles sugerem que esta discrepância pode ser devida, pelo menos em parte, ao fato de que, dentro dos atuais sistemas de saúde, é infinitamente mais fácil prescrever um medicamento do que tratar de problemas sociais como desemprego, racismo e falta de moradia segura.

Os autores pedem que os profissionais das disciplinas-psi reconheçam os determinantes sociais frequentemente negligenciados das doenças mentais e exortam os governos e os médicos a fazer mais para tratá-los.

“Serviços e soluções para o desemprego, problemas de moradia, preocupações financeiras”, escrevem eles, “devem ser disponibilizados universalmente, juntamente com o fornecimento de dietas saudáveis e atividade física, em um serviço holístico e integrado de atendimento. Os governos devem fazer melhor. E o médico, diante de pacientes que repetidamente cuidam de uma saúde cerebral precária… tem o dever de cuidar para exigir tais medidas; sem elas, o sofrimento continuará”.

A pesquisas anteriores estabeleceram o poder dos determinantes sociais da saúde mental. Da depressão à psicose, questões como racismo, discriminação, acesso à moradia e outros recursos, etc., parecem desempenhar um papel maciço em nosso bem-estar mental geral. Pesquisas recentes durante o Covid-19 reforçaram estas conclusões, descobrindo que as desigualdades sociais impulsionam o sofrimento mental em meio à pandemia e intensificam os efeitos adversos do Covid-19.

Os autores não estão sozinhos em seu apelo para que os profissionais-psi enfatizem os determinantes sociais da saúde mental. Os pesquisadores sugeriram que os psiquiatras deveriam utilizar melhor a orientação da Classificação Internacional de Doenças (CID) para contextualizar o sofrimento psicológico dentro dos determinantes sociais da saúde. Em vez de diagnosticar o sofrimento patológico como um transtorno dentro do indivíduo, estes autores argumentam que devemos diagnosticar e tratar as adversidades sociais dentro de nossas sociedades.

A abordagem holística, utilizando modelos biomédicos e sociais determinantes da saúde mental, tem se tornado cada vez mais popular dentro das disciplinas-psi. As abordagens holísticas têm demonstrado tratar eficazmente a retirada de drogas psicotrópicas, ansiedade e depressão, às vezes superando o tratamento centrado na biomedicina. A pesquisa também tem mostrado melhora nos resultados terapêuticos quando as abordagens psicodinâmica e cognitivo-comportamental são combinadas.

O editorial começa apontando para uma declaração feita por Vivian Pender (atual presidente da Associação Psiquiátrica Americana), na qual ela exorta seus colegas a estarem mais atentos aos determinantes sociais da doença mental. Embora as autoras concordem com sua declaração, elas são cautelosas sobre se a disciplina seguirá ou não este conselho ou se isto representará outro “balanço do pêndulo” que, em última instância, não produzirá mudanças fundamentais.

Os autores apresentam a criação pela Pender de uma força-tarefa da APA para abordar os determinantes sociais da saúde mental como evidência de que existe um problema com a maneira como a maioria dos psiquiatras (na América) está pensando sobre este problema. Naturalmente, caso a disciplina fosse realmente vendida sobre a importância dos determinantes sociais, tal força-tarefa não seria necessária.

Embora a cautela seja a atitude predominante, os editores dão algumas razões para serem otimistas sobre a psiquiatria americana levando os determinantes sociais da saúde mental mais a sério.

Os autores citam a crescente evidência de que a pobreza, a adversidade infantil e a violência representam fatores de risco significativos para distúrbios mentais (como representado pela Comissão Lancet sobre saúde mental global), bem como a mudança no foco para fatores ambientais de saúde durante a pandemia de Covid-19 como fatores impulsionadores na legitimação dos determinantes sociais da saúde mental na literatura psiquiátrica.

Os autores apelam para a adoção da idéia inerentemente holística de “saúde cerebral” para satisfazer várias facções em briga dentro da psiquiatria. A Organização Mundial da Saúde define “saúde do cérebro” como:

“Um estado no qual cada indivíduo pode otimizar seu funcionamento cognitivo, emocional, psicológico e comportamental; não apenas a ausência de doenças”.

Com esta definição, os autores argumentam que muitas facções distintas poderiam ser reunidas sem ter que desfazer as suposições subjacentes (às vezes mutuamente exclusivas) de cada grupo.

Em última análise, os autores argumentam que as disciplinas-psi, e a sociedade como um todo, não fazem atualmente o suficiente para abordar os determinantes sociais da doença mental. Por exemplo, os países não estão fazendo o suficiente para enfrentar as questões da pobreza e do racismo, e nossas comunidades não estão fazendo o suficiente para enfrentar as disparidades econômicas e as diferenças culturais.

A solução para estas questões seria que os governos priorizassem a abordagem de determinantes sociais conhecidos da saúde mental (como a pobreza, o racismo e a violência) e que os professionais-psi administrassem intervenções holísticas em momentos apropriados para o desenvolvimento, a fim de evitar problemas de saúde mental a longo prazo.

****

The Lancet. (2021). Brain health and its social determinants. The Lancet, 398(10305), 1021. https://doi.org/10.1016/s0140-6736(21)02085-7

Fonte: https://madinbrasil.org/


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter