20 de setembro de 2020

Absurdo e Revoltante – Efeitos do uso da maconha

29 de dezembro de 20192min

Kobili Traoré, um jovem imigrante de Mali que vive em Paris, invadiu o apartamento de sua vizinha e protetora Sara Halimi e a assassinou com inúmeras facadas. Logo depois jogou seu corpo pela janela do 4º andar, onde viviam e saiu à rua gritando: “Alahu Akbar, matei o Satan”.

Na corte, confessou seu crime porém não será julgado por ser considerado “incapaz de avaliar seu ato, tendo fumado 12 cigarros de maconha naquele dia”, conforme autoridades Francesas.

Justificativa Vil

Sara Halimi tinha muita pena de Kobili Traoré. Ela cozinhava para ele, o aconselhava e inclusive lhe comprou roupas e cobertores. Traoré era Usuário pesado de maconha, desempregado e fanatizado.

O terrível crime de Traoré foi desconsiderado por causa do maciço uso de maconha.

Em todo o mundo se considera que o uso de álcool é um agravante em qualquer crime, acidente de carro, atropelamento ou violência. Mas na França os defensores da maconha conseguiram a proeza de considerar que o uso de maconha seja considerado um atenuante num crime gravíssimo por um jovem de 27 anos frente a uma idosa indefesa de 67.

Caso a sociedade siga aceitando estas aberrações, não demorará para que bandidos passem a usar maconha antes de assaltos e outros crimes e assim, caso presos, aleguem o uso de substâncias químicas para se eximirem da culpa.

Cabe lembrar que a palavra ASSASSINO, em Francês ASSASSIN, vem do árabe Hashishin, que significa usuário de maconha.

O caso Francês é um perigosíssimo precedente!


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter