23 de setembro de 2020

Homenagem da UNIAD no Dia Internacional da Mulher

5 de março de 201518min

Somos capazes de remover montanhas para atingir um objetivo e os nossos pacientes precisam muito dessa força! (Ana Leonor/CRATOD)

Por Adriana Moraes

Neste mês em que comemoramos o Dia Internacional da Mulher a UNIAD (Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas) faz uma homenagem a todas as mulheres que dedicam uma boa parte de seu tempo acompanhando e apreciando o site, ficando desta forma, diariamente bem informadas sobre as novidades na área da dependência química.

*Mulheres especiais

*Eloisa Arruda, Neide Zanelatto, Sílvia Regina Innocêncio Nóbrega, Ana Cecília Marques, Ana Leonor Sala Alonso, Kátia Bráz, Clarice Sandi, Maria de Fátima Padin, Nildes Nery, entre outras, impossível citar todas, mulheres extremamente competentes, profissionais dedicadas e admiráveis que fazem a diferença!

Houve avanços, temos observado ao longo dos anos mudanças positivas em relação ao papel da mulher no mercado de trabalho, na vida social e pessoal, mas, ainda temos muito que conquistar, estamos batalhando para transformar o mundo em algo melhor.

Entrevista

Para comemorarmos esta data especial, tive o prazer de conversar com a Assessora Técnica de Gabinete da Secretaria de Estado da Saúde Ana Leonor Sala Alonso que atua no CRATOD (Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas).

A presente Assessora trabalha com o psiquiatra Dr. Marcelo Ribeiro de Araújo, Diretor Técnico do CRATOD, cabe destacar que ambos estão realizando um belíssimo trabalho!

1ª) Você atuava na área da educação, como foi esse processo de mudança para a área da saúde em especial para trabalhar com a dependência química?

As políticas de Educação e Saúde, na minha visão, são ferramentas transformadoras da vida das pessoas. A primeira porque nos alimenta com o conhecimento e estimulam sonhos, projetos de vida e organiza as gerações para viver em sociedade. A segunda, que permite que esses conhecimentos tratem as pessoas nos momentos adversos do mau funcionamento físico e mental, o que muitas vezes exige a revisão do projeto de vida inicial sem perder as perspectivas de viver com qualidade. Com isso voltar a Saúde me deu a chance de aplicar o que aprendi e aprimorar minhas atividades na área de planejamento com foco no tratamento de dependentes químicos que buscam o CRATOD (CAPS – Centro de Atenção Psicossocial e Programa Recomeço). 

2ª) O CRATOD tem muitas funcionárias? Como motivá-las para realizar um bom trabalho?

A participação das mulheres tem aumentado constantemente e nas mais diversas áreas, o que não poderia ser diferente na área de Saúde. O CRATOD conta hoje com essa grande força e a motivação acho que vem não só da capacitação, posições de trabalho, mas, de uma grande força que vem do íntimo feminino. Somos capazes de remover montanhas para atingir um objetivo e os nossos pacientes precisam muito dessa força, o que acaba acontecendo naturalmente é a disposição do conjunto das equipes trilharem esse mesmo caminho.

3ª) Fale um pouco sobre as mulheres dependentes de drogas que buscam ajuda no Centro de Referência.

O número de mulheres dependentes que buscam tratamento no CRATOD, quase sempre vem acompanhado de uma situação de abandono da própria autoestima feminina, com laços familiares rompidos ou distantes, seja essa a família em que nasceu ou uma situação ainda mais delicada que é aquela decorrente das gestações que teve nesse processo de dependência e que afastaram seus bebês. Temos fortalecido a nossa abordagem e vinculação com essas mulheres para um reencontro com a vida em todas as suas etapas. Um trabalho difícil e de longo prazo, mas capaz de ser desenvolvido. 

4ª) Como é atender o nosso Governador Geraldo Alckmin e passar as informações sobre o que ocorre no CRATOD?

Tive o imenso prazer de receber o nosso Governador aqui no CRATOD durante algumas reuniões de trabalho que temos feito. Ele é um grande incentivador da nossa ação e só nos estimula a continuar desenvolvendo o trabalho. Mais do que sua formação médica, ele tem um diferencial e que nos coloca todo dia como desafio que é cuidar de gente! Com certeza a área de saúde mental, cuida de gente!.

5ª) Você está sempre disposta para o trabalho, incessantemente resolve os problemas que aparecem no CRATOD, qual o segredo para manter esse ritmo?

Tenho 35 anos de trabalho e apesar dos 52 anos de idade, tenho sim uma força jovem que vem da alma e do coração. Acredito que diante dos problemas não podemos nos recusar a ouvir e agir, me colocando constantemente no lugar do outro como uma cidadã, e então repito sempre: Juntos fazemos mais e melhor!!!

6ª) Qual a mensagem que você gostaria de deixar para as leitoras do site da UNIAD em homenagem ao Dia Internacional da Mulher?

Primeiramente agradecer a oportunidade de colocar a todos os leitores do site um pouco da minha trajetória pessoal e do trabalho que realizamos no Programa Recomeço, no CAPS do CRATOD. Deixar um abraço especial a estas mulheres super poderosas e desejar que elas nunca percam a capacidade de sonhar, pois isto sempre vai nos levar a novas emoções que ampliam a nossa capacidade de amar e incluir as pessoas, fazendo de todos nós uma grande família.

Agradeço a Assessora TécnicaAna Leonor pela atenção!

Em nome da UNIAD parabenizo todas as mulheres não só pelo dia 08 de março, mas por todos os dias, merecemos ser valorizadas e homenageadas sempre!

Um agradecimento especial ao psiquiatra Dr. Ronaldo Laranjeira que gentilmente permitiu a realização desta singela homenagem!

Adriana Moraes – Psicóloga do Programa Recomeço do Governo do Estado de São Paulo – Especialista em Dependência Química – Colaboradora da UNIAD

*Mulheres Especiais

*Dra. Eloisa Arruda: ex-secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, Procuradora de Justiça no Ministério Público de São Paulo;

 *Mestre Neide Zanelatto: psicóloga, Coordenadora do Curso Terapia Cognitivo Comportamental Aplicado ao Tratamento da Dependência Química/UNIAD (Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas);

*Sílvia Regina Innocêncio Nóbrega: Oficial Administrativo atua no CRATOD (Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas) no setor da enfermagem;

*Dra. Ana Cecília Marques: psiquiatra, presidente da ABEAD (Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas), pesquisadora do INPAD (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e outras Drogas);

*Ana Leonor Sala Alonso: Assessora Técnica de Gabinete da Secretaria de Estado da Saúde, atua no CRATOD (Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas);

*Kátia Bráz: psicóloga, Especialista em Dependência Química/UNIAD (Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas), atua na ação Recomeço Família, do Programa Recomeço do Governo do Estado de São Paulo;

*Dra. Clarice Sandi: psicóloga, Coordenadora do II LENAD (Levantamento Nacional de Álcool e Drogas), pesquisadora do INPAD (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e outras Drogas), professora do curso de Especialização da UNIAD (Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas);

*Dra. Maria de Fátima Padin: psicóloga, Diretora Clínica do “Alamedas”,Coordenadora do Curso de Especialização da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo) no Instituto Bairral/Itapira SP, pesquisadora do INPAD (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e outras Drogas) ;

*Pastora Nildes Nery: realiza um trabalho com uma equipe de Conselheiros de Rua na tenda do Programa Recomeço do Governo do Estado de São Paulo.


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter