Medida incentivada no Brasil por ONG estrangeira é fachada para estimular uso de drogas

8 de março de 20232min35
reducao-de-danos-2-crop-20230227163021

A redução de danos é uma abordagem que, em vez de impedir o consumo de drogas, argumenta que é preciso fornecer condições para o “uso seguro” de entorpecentes, de forma a evitar overdoses ou a transmissão de doenças. No Brasil, a posse de entorpecentes é ilegal, assim como qualquer iniciativa que incentive o consumo de drogas. A abordagem da redução de danos, portanto, não é aplicável.

O médico e professor Ronaldo Laranjeira, que tem quatro décadas de experiência lidando com o assunto e é coordenador da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas (UNIAD), da UNIFESP, também se opõe a essa política. Para ele, a abordagem é ideológica e se baseia na premissa equivocada de que é impossível impedir que as pessoas usem drogas. Laranjeira diz que a política de redução de danos chegou a ser adotada na Inglaterra, com resultados muito ruins: apenas 4% das pessoas que passaram por essa abordagem deixaram de consumir drogas, e não está claro se o programa ajudou a salvar vidas ao fornecer material para o “uso seguro” de entorpecentes.

https://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/reducao-de-danos-medida-incentivada-no-brasil-por-ong-estrangeira-fachada-estimular-uso-drogas/


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter


    Skip to content