21 de setembro de 2020

Covas reduz internações e cria ‘multa’ a usuário desistente na cracolândia

21 de maio de 20182min

Passado um ano da megaoperação policial que desobstruiu vias e prendeu traficantes na cracolândia do centro de São Paulo, a prefeitura reduziu o ritmo de internações de usuários e ainda impôs uma espécie de quarentena àqueles que abandonarem o tratamento.

Como as internações são voluntárias e os dependentes químicos podem desistir a qualquer momento, a taxa de reincidência é alta, segundo a prefeitura.

Para reduzi-la, a gestão decidiu proibir que os pacientes se internem novamente dentro de um mês da desistência. A justificativa de Guerra é que há desperdício de verba pública com essas reinternações. “Nós qualificamos melhor a internação. É internado aquele paciente que deseja, que quer se tratar, e que usa a oportunidade, o recurso público, para benefício dele. Não para aquele que fica um dia e quer sair”, diz Arthur Guerra, da prefeitura paulistana.

Guerra argumenta que os dependentes químicos ainda podem buscar internação em equipamentos do governo do Estado ou abrigo em tendas e albergues da prefeitura.

Veja mais em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/05/covas-reduz-internacoes-e-cria-multa-a-usuario-desistente-na-cracolandia.shtml


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter