Mudanças das estruturas cerebrais de usuários de maconha

11 de dezembro de 20203min214

O uso de cannabis está aumentando, mas há pouca compreensão dos processos biológicos que podem vincular o uso crônico de cannabis a anormalidades estruturais do cérebro. Para fornecer uma visão sobre este tópico, examinamos a integridade microestrutural da substância branca e as diferenças de densidade / espessura cortical da substância cinzenta entre 89 indivíduos com dependência de cannabis (CD) e 89 controles correspondentes (64 homens, 25 mulheres em cada grupo) do Projeto Conectoma Humano. Testamos se os padrões corticais para a expressão de genes relevantes para a sinalização de canabinóides (do tecido pós-morte do Atlas Human Brain Allen) estavam associados a padrões espaciais de diferenças de espessura / densidade corticais em DC. DC teve menor anisotropia fracionada do que os controles em feixes de substância branca que inervam o córtex cingulado e parietal posterior, gânglios da base e córtex temporal. O grupo CD também teve significativamente menos espessura e densidade de massa cinzenta no pré-cuneiforme, em relação aos controles. A análise de pares de irmãos encontrou suporte para os efeitos causais e de responsabilidade gradativa da cannabis na estrutura pré-cuneiforme. Os padrões espaciais de diferenças de massa cinzenta em CD foram significativamente associados a diferenças regionais na expressão de monoacilglicerol lipase (MAGL) no tecido cerebral post-mortem, de modo que regiões com maior expressão de MAGL (mas não amida hidrolase de ácido graxo ou FAAH) eram mais vulneráveis ​​ao afinamento cortical . Em suma, o uso crônico de cannabis está associado a diferenças estruturais na massa branca e cinzenta, que era mais proeminente no precuneus e nos tratos de matéria branca associados. Regiões com alta expressão de MAGL e, portanto, com sinalização canabinóide endógena potencialmente restrita fisiologicamente, podem ser mais vulneráveis ​​aos efeitos do uso crônico de cannabis na espessura cortical.

Acesse o artigo em ingles: https://www.nature.com/articles/s41380-019-0577-z

Relacionados


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter