Quando o mau humor se torna um transtorno

23 de maio de 20244min59
Artigo-Quando-o-mau-humor-se-torna-um-transtorno

O especialista do GPS, Antônio Geraldo da Silva explicou sobre o tema

Você deve conhecer uma pessoa que está sempre mal humorada, tem uma visão extremamente negativa da vida e é um “grande chato”. Pode não ser apenas uma característica da personalidade dessa pessoa. Pode ser sinal de um transtorno mais grave. O transtorno depressivo persistente, também conhecido como distimia, é um subtipo dos transtornos do humor. A pessoa que tem esta síndrome apresenta está frequentemente irritada. E não de forma normal.

A distimia ou mau humor é um sentimento comum a qualquer indivíduo e pode ser desencadeado por situações estressantes, frustrações, fome, sono, cansaço, entre outras situações. Pode ser passageiro e não tem impacto significativo na vida diária da pessoa. Em geral, a distimia começa na infância e na adolescência e pode durar anos ou até a vida inteira. Enquanto o mau humor comum é uma resposta normal a estímulos temporários como situações estressantes ou fatores fisiológicos, a distimia transcende a esses aspectos e o indivíduo.

Aqueles que sofrem do transtorno depressivo persistente são frequentemente rotulados como indivíduos mal-humorados e apresentam dificuldades nos relacionamentos interpessoais. Segundo a OMS a distimia afeta cerca de 6% da população mundial.

No entanto, é importante discernir quando o mau humor assume uma dimensão patológica, afetando não apenas o bem-estar psicológico, mas também a saúde física e os vínculos sociais. A persistência do mau humor, acompanhada por sinais como alterações no sono, falta de apetite, pensamentos negativos recorrentes e desinteresse por atividades anteriormente prazerosas, pode indicar a presença do transtorno depressivo persistente.

Compreender que a distimia vai além da superfície do mau humor. O Transtorno Depressivo Persistente é distinto da depressão comum que conhecemos, pois, a duração dos sintomas é percebida por um maior período de tempo, ela geralmente persiste por pelo menos dois anos em adultos e um ano em adolescentes.

É comum que as pessoas demorem a procurar ajuda ou acreditem que não precisam investigar e tratar o mau humor crônico, pois acham que são assim mesmo, que aquela é a personalidade da pessoa, mas quando esses sentimentos começam a trazer prejuízo para a vida da pessoa, é necessário buscar um médico psiquiatra para investigar e oferecer um tratamento adequado.

A busca por ajuda profissional torna-se imprescindível quando o mau humor se torna uma presença constante, minando a qualidade de vida, o ambiente familiar e a vida profissional. Para tratar o transtorno depressivo persistente, o médico psiquiatra pode recomendar psicoterapia, e se necessário, tratamento medicamentoso com antidepressivos dependendo de cada caso, das perdas envolvidas na vida da pessoa e o que se pretende de melhor para cada um de nós. É importante termos a mente aberta para saber diferenciar e não permitir que o preconceito nos atrapalhe a ter os melhores resultados.

Link: https://gpsbrasilia.com.br/artigo-quando-o-mau-humor-se-torna-um-transtorno/

*Dr. Antônio Geraldo da Silva é médico psiquiatra, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria e Diretor Clínico do IPAGE – Instituto de Psiquiatria Antônio Geraldo. É Coordenador Nacional da Campanha “Setembro Amarelo”, da Campanha ABP/CFM Contra o Bullying e o Cyberbullying e da Campanha de Combate à Psicofobia.


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter


    Skip to content