Covid longa e a atenção à saúde mental

23 de fevereiro de 20222min40
Artes Capa Site (4)

A pandemia de Covid-19 trouxe consequências psiquiátricas preocupantes.

O cérebro é um dos órgãos mais atacados pelo vírus, levando a reações imunológicas, inflamatórias e vasculares, que determinam quadros clínicos que vão do coma e da confusão mental a dificuldades de concentração, atenção, memória, manifestações depressivas, ansiosas e estresse pós-traumático. Caso não haja um tratamento adequado, as sequelas podem se arrastar por anos.

O SUS precisa se preparar para enfrentar o problema. A Rede de Atenção Psicossocial (Raps) está distante do sistema de saúde. A Raps não consegue atender à demanda cada vez maior da saúde mental. Cada vez mais percebemos o aumento de consultas na atenção básica e prescrição de psicotrópicos, sem resolução dos casos graves, lotando os serviços de emergência, de internações e levando pacientes até ao suicídio.

No artigo assinado na Folha de São Paulo, nesta quarta feira, dia 23 de fevereiro, o médico psiquiatra Marcelo Feijó de Mello, professor da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein e livre docente livre-docente da Escola Paulista de Medicina (Unifesp), chama atenção para o problema e afirma que providências devem ser tomadas imediatamente.

Para ler a matéria completa acesse o link: https://bit.ly/3scK7ul


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter