27 de setembro de 2020

Desenvolvimento neurológico (no longo prazo) após injúrias intra-uterinas e neonatais: uma revisão sistemática

23 de fevereiro de 20124min

Introdução

Intervenções neonatais são amplamente focadas na redução da mortalidade e na progressão para o Desenvolvimento do Milênio – Goal 4 [Millennium Development Goal 4 ] (sobrevivência infantil).  No entanto, pouco se sabe sobre a carga global das consequências no longo prazo de injúrias intra-uterinas e neonatais. Fizemos uma revisão sistemática para estimar os riscos neurocognitivos no longo prazo e de outras seqüelas após injúrias intra-uterinas e neonatais, especialmente em países de baixa e média renda.

Métodos

As buscas forma realizadas nas bases Medline,  Cumulative Index to Nursing and Allied Health, Biblioteca Cochrane e Embase estudos publicados entre 01 de janeiro de 1966, e 30 de junho de 2011, que relataram seqüelas no desenvolvimento neurológico após injúria prematura ou neonatal. Para estudos não publicados e literatura cinzenta, foi pesquisado nas bases Dissertation Abstracts International e Biblioteca da OMS. Depois de definir as injúrias neonatais, as publicações que tiveram dados para resultados no longo prazo foram analisadas.  Os resultados forma sintetizados através de médias e intervalos interquartis (IRQs) e calculado o risco de, pelo menos, uma seqüela após injúria.

Resultados

Dos 28.212 estudos identificados pela nossa pesquisa, 153 estudos foram adequados para a inclusão, documentando 22.161 sobreviventes de injúrias intra-uterinas ou neonatal.

O risco médio global de, pelo menos, uma seqüela em qualquer domínio foi de 39,4% (IQR 20-54,8), com um risco de, pelo menos, um comprometimento grave em qualquer domínio de injúria de 18,5% (7,7 -33, 3), de pelo menos uma insuficiência moderada de 5,0% (0 -13,3%), e de pelo menos um comprometimento leve de 10% (1,4 – 17,9).

A estimativa do risco agrupada de, pelo menos, uma seqüela (média ponderada) associada com um ou mais dos injúrias estudadas (excluindo o HIV) foi de 37% (IC95%:27,0 -48%) e este risco não foi significativamente afetado pela região, duração do follow-up, desenho do estudo, ou o período de coleta de dados.

As seqüelas mais comuns foram as dificuldades de aprendizagem, cognição, ou atraso de desenvolvimento (n = 4032; 59%); paralisia cerebral (n = 1472; 21%); deficiência auditiva (n = 1340; 20%) e deficiência visual (n = 1228; 18%). Apenas 40 (26%) estudos incluíram dados para deficiências de vários domínios. Estes estudos incluíram 2.815 indivíduos, dos quais 1.048 (37%) tiveram deficiência, do quais 334 (32%) tiveram deficiências múltiplas.

Conclusões

Injúrias intra-uterinas e neonatal têm um alto risco de causar morbidade neurológica substancial no longo prazo. Estudos de coorte comparáveis ​​em regiões pobres em recursos devem ser feitos para avaliar adequadamente o peso dessas condições e os resultados no longo prazo, tais como doença crônica, e nortear e programas e políticas de investimentos.
 

Financiamento: Bill & Melinda Gates Foundation, Saving Newborn Lives, e Wellcome Trust.

Referência: Mwaniki MK, Atieno M, Lawn JE, Newton CRJC. Long-term neurodevelopmental outcomes after intrauterine and neonatal insults: a systematic review. The Lancet. 2012;379 (9814): 445 – 52.

Acesso gratuito ao abstract:

http://www.lancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(11)61577-8/abstract


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter