28 de setembro de 2020

Ciúme patológico e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC)

2 de maio de 20096min

Morbid jealousy and obsessive-compulsive disorder (OCD)
Caro Editor,
O ciúme patológico (CP) pode ser definido como uma condição caracterizada por pensamentos, emoções e comportamentos inaceitáveis ou extremos, cujo tema dominante é a infidelidade do parceiro, podendo ocasionar sofrimento para o paciente e para o parceiro. Apresenta-se de forma heterogênea, tais como idéias obsessivas, prevalentes ou delirantes1,2. Reconhece-se que o CP pode constituir um sintoma, presente em diferentes entidades nosológicas, como transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e transtorno delirante. Portanto, uma vez detectado, deve-se identificar o diagnóstico de base. Como o tema pode apresentar uma forte conotação paranóide, a aproximação mais comum seria com transtornos psicóticos, em virtude de alguns pacientes apresentarem boa resposta terapêutica a neurolépticos e apresentarem forte convicção, próxima à delirante, de que estão sendo traídos3. No entanto, apesar de alguns autores ressaltarem a associação desse sintoma com o TOC, são poucos os artigos publicados sobre o tema. Neste caso, a terapêutica mais adequada seriam os inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRS) associados à terapia cognitivo-comportamental (TCC). Em casos refratários, a associação com doses baixas de antipsicóticos por curto período de tempo poderia ser uma opção1,3-5.
Recentemente, atendemos um homem com 23 anos, acompanhado por um prazo de dois anos, pelo segundo autor desta carta (reavaliado pelos demais autores), no Instituto Raul Soares. Ele era estudante de graduação, que tinha um relacionamento estável com uma mulher há três anos. Há um ano iniciou com ideações relacionadas ao ciúme, desenvolvendo sintomas de pânico quando chegava com a namorada em lugares freqüentados por jovens e percebia a presença de outros homens. O paciente não tinha comorbidades. Acreditava que a namorada era fiel e que suas idéias eram completamente infundadas. Perante os critérios classificatórios do DSM-IV, seu quadro era compatível com TOC. No entanto, freqüentemente aparecia na casa dela durante a madrugada para se certificar de que ela não o estava traindo. Após esses episódios, passava de dois a três dias com sintomas depressivos leves. O seu comportamento e suas idéias ruminativas relacionadas à infidelidade começaram a lhe causar sofrimento e prejuízo nas atividades cotidianas. Foi iniciado o tratamento com sertralina até a dose de 200mg/dia associada à TCC.
Após seis meses, não houve melhora do quadro clínico. Optou-se, então, por associar risperidona 0,5mg/dia. O paciente evoluiu com melhora significativa dos sintomas, passando a confiar na namorada, mesmo quando saía com amigos. Os pensamentos de infidelidade passaram a ser raros e, quando presentes, não mais provocavam desconforto significativo. O paciente foi acompanhado em um seguimento de mais um ano e meio após a introdução da risperidona, totalizando dois anos, até o presente momento.
Diversos pacientes com CP podem ser pertencentes ao espectro obsessivo-compulsivo. Nesses casos, as preocupações de ciúme envolvem tipicamente maior preservação da crítica, culpa, ruminações e rituais de verificação. Ademais, o grau de agressividade é menor, podendo ocorrer também sintomas depressivos.
Desta forma, a abordagem terapêutica, que ficou durante algum tempo restrita à internação, uso de antipsicóticos e psicoterapias, tem se ampliado com a associação entre CP e TOC, melhorando o prognóstico daquela condição clínica.

Alexandre Costa Val
Hospital de Ensino Instituto Raul Soares, Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG), Belo Horizonte (MG), Brasil

Rodrigo Nicolato
Departamento de Ciências Médicas, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto (MG), Brasil

João Vinícius Salgado
Hospital de Ensino Instituto Raul Soares, Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG), Belo Horizonte (MG), Brasil
Departamento de Morfologia, Instituto de Ciências Biológicas (ICB), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte (MG), Brasil

Antônio Lúcio Teixeira
Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte (MG), Brasil

Referências
1. Torres AR, Ramos-Cerqueira ATA, Dias RS. Jealousy as a symptom of obsessive-compulsive disorder. Rev Bras Psiquiatr. 1999;21(3):158-73.
2. Kingham M, Gordon H. Aspects of morbid jealousy. Adv Psychiatr Treat. 2004;10:207-15.
3. O’Dwyer AM, Marks I. Obsessive-compulsive disorder and delusions revisited. Br J Psychiatry. 2000;176(3):281-4.
4. Maggini C, Lundgren E, Leuci E. Jealous love and morbid jealousy. Acta Biomed. 2006;77(3):137-46.
5. Marazziti D, Di Nasso E, Masala I, Baroni S, Abelli M, Mengali F, Mungai F, Rucci P. Normal and Obsessional jealousy: a study of population of young adults. Eur Psychiatry. 2003;18(3):106-11.


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter