28 de setembro de 2020

TDAH pode levar ao abuso de substâncias psicoativas

7 de setembro de 20095min

ABEAD

Jovens com Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) têm mais chances de tornarem-se usuários de drogas ilícitas que os demais jovens da mesma faixa etária. Essa foi a principal conclusão dos pesquisadores do projeto Transtorno de Déficit de

Atenção/Hiperatividade e uso de substâncias psicoativas: estudo de sua associação, do tratamento farmacológico com metilfenidato e neuroimagem através de SPECT com TRODAT, desenvolvido por pesquisadores do Centro de Pesquisas em Álcool e Drogas do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

O envolvimento de adolescentes com substâncias psicoativas (SPA), um dos mais importantes problemas de saúde pública do país, pode ser originado por muitas e diferentes causas, e sabe-se que vários transtornos psiquiátricos podem atuar como fatores predisponentes ao uso de drogas, como por exemplo o Transtorno de Conduta. Com os dados finais dessa pesquisa, provou-se que a presença isolada do TDAH contribui

para uma dependência química mais intensa e de pior prognóstico.

 

Como o TDAH se desenvolve antes dos sete anos de idade, cerca de seis anos antes do início da dependência de substâncias psicoativas, e considerando-se que esse transtorno apresenta tratamentos farmacológicos bem estabelecidos, o esclarecimento da natureza da associação entre ambos é essencial em termos de prevenção primária ao uso problemático de drogas. Apesar das evidências da eficácia do tratamento medicamentoso do TDAH, poucos estudos anteriores avaliaram a intervenção medicamentosa quando está presente a comorbidade TDAH e o uso de drogas.

 

Como o TDAH e o uso de SPA estão associados a alterações em circuitos cerebrais de funcionamento dopaminérgico – a dopamina é um neurotransmissor, precursor natural da adrenalina e da noradrenalina, que tem como função a atividade estimulante do Sistema Nervoso Central – como o sistema de recompensa, foram analisadas funções cerebrais através de Tomografia Computadorizada por Emissão de Photons (SPECT) e TRODAT (radiofármaco específico para o transportador da dopamina).

 

O Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um problema neurobiológico que ocorre em 3 a 5% das crianças, possui causas genéticas, aparece na infância e freqüentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Ele se caracteriza por sintomas de desatenção, desorganização, inquietude e impulsividade, sendo chamado

por vezes de DDA (Distúrbio do Déficit de Atenção). Sendo uma situação crônica, pode acarretar diversos prejuízos ao indivíduo, como dificuldades na escola, na universidade, no emprego, mais chances de gravidez não-planejada e de envolvimento em acidentes, por exemplo. O tratamento desse problema deve ser multimodal, englobando medicação, orientação às pessoas de convívio do paciente e psicoterapia.

 

Além da associação do TDAH com o uso de substâncias psicoativas, o estudo também avalia a intervenção medicamentosa no transtorno quando está presente o uso ou o abuso de drogas.

 

Para embasar o estudo foram entrevistados 968 adolescentes da região metropolitana de Porto Alegre, todos entre 15 e 20 anos de idade, sendo que foram identificados 61 usuários de drogas ilícitas com suspeita de terem TDAH que participaram do projeto. Os pesquisados não estavam recebendo nenhum tipo de tratamento para TDAH nem para abuso de drogas, fosse ele medicamentoso ou psicoterápico.

 

O estudo de caso-controle foi desenvolvido pela autora Cláudia Szobot durante seu doutorado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), sob orientação do professor Flavio Pechansky. Além da tese final, os dados da pesquisa vão resultar na publicação de artigos científicos. O projeto recebeu financiamento dos laboratórios Eli Lilly e Toxilab, do FIPE, do PRODAH e do CPAD.

 

 


Sobre a UNIAD

A Unidade de Pesquisa em álcool e Drogas (UNIAD) foi fundada em 1994 pelo Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira e John Dunn, recém-chegados da Inglaterra. A criação contou, na época, com o apoio do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP. Inicialmente (1994-1996) funcionou dentro do Complexo Hospital São Paulo, com o objetivo de atender funcionários dependentes.



Newsletter